Thursday, February 02, 2006

Por uma sociedade axiomática

(Vamos dar uma de Quentin Tarantino)

Axioma:
do Lat. axioma + Gr. axíoma, opinião, dogma
s. m., proposição evidente;
proposição que não carece de demonstração;
máxima;
sentença.

Sociedade:do Lat. societate
s. f., reunião de pessoas que têm a mesma origem e pelas mesmas leis;
parceria, participação;
associação;
agremiação;
reunião de pessoas que se juntam para conversar, jogar, etc. ;
relações, convivência;
casa em que se reúnem membros de uma agremiação;
Zool., reunião de animais que vivem em estado gregário.
(Fonte: http://www.priberam.pt/dlpo/dlpo.aspx)

Bom.. Faz tempo que eu não escrevo nada pseudo-filosófico, então hoje eu vou gastar todo o crédito que eu ganhei durante este tempo.

Pelo começo. É fato que as sociedades como um todo funcionam baseadas em certas regras e preceitos. Estes podem variar dependendo da etnia que pegamos como exemplo, mas com certeza qualquer organização humana tem uma base de regras que a rege. Com o tempo, as sociedades pequenas começam a se comunicar umas com as outras, e essas regras começam a se misturar, e começam a seguir traços culturais muito fortes. Certas coisas como diversas religiões começam a pregar suas idéias de como as sociedades devem ser guiadas (porque as religiões fazem isso é assunto para outra grande polêmica). Mais importante do que isso, o tempo vai passando, e as novas gerações vão aprendendo sobre essas regras. Só que elas aprendem de forma incompleta.
É mais conveniente para o tutor explicar somente como as regras devem ser seguidas, e não a razão porque elas estão ali. Repetindo esta receita por tempo suficiente, chegamos a um ponto (que é o mais importante) em que as pessoas vivem seguindo certos preceitos muito antigos que elas nem sequer sabem porque foram instituídos in the first place. As sociedades atuais (falando do Ocidente, de um modo geral) trabalham em cima de regras que são literalmente "empilhadas" umas sobre as outras, sem fazer as correções necessárias. Por isto que encontramos tantas contradições que parecem à primeira vista insolúveis. A nossa própria capacidade de raciocínio está, em grande parte, nublada por regras contraditórias e muitas vezes inválidas.

Analisando de onde estas regras vieram, no caso da sociedade Ocidental, encontraremos uma fonte muito importante: A Igreja Católica Apostólica Romana (eu não tenho nada contra a igreja católica por definição. O caso é que históricamente esta instituição teve uma influência muito decisiva). Durante os últimos dois mil anos, estas pessoas encontraram uma fonte de poder muito grande em ditar e mexer nos costumes das pessoas como um todo. Eles são responsáveis, em grande parte, pelo "emplilhamento" de regras que nos rege até hoje. Para solucionar isto, vou invocar um personagem muito importante para esta discussão: Nietzsche. Ele (obviamente) se deu conta de tudo isto muito antes de mim, e viu uma coisa muito mais importante: Ele notou que se nós destituirmos a sociedade Ocidental dos valores "cristãos" aos quais ela está submetida, não sobraria nada! Todos os "valores", e a "moral" que nos comanda seria destruída. Muita gente, ao ler isto, perdeu a esperança e achou que não havia jeito para a humanidade. Estas pessoas se contentavam com uma vida sem sentido, sem propósito.

Acontece que não era esta a idéia de Nietzsche. Ele queria somente desnudar a sociedade de seus valores corrompidos, e, (agora que fica interessante), criar novos! Faz sentido termos uma sociedade que funcione com regras, mas temos que pensar cuidadosamente nestas regras, e não simplesmente conjurá-las em nome "do Espírito Santo, amém". E agora vem o clímax do argumento, na minha opinião. A questão está em quão fundo temos que ir para encontrar as regras "ideais". É necessário um grande esforço mental por parte de muita gente para que possamos chegar ao nível tão baixo que deve ser atingido para podermos desfazer o nó de preceitos que comanda nossa sociedade. E quando me refiro a muito baixo, significa questionarmos coisas até como "Não matarás" (Não estou dizendo que é certo matar o próximo. O que estou dizendo é que devemos saber exatamente _porque_ é errado fazer isto). Com estes "axiomas" (rá! eis o título deste post longo e chato) muito bem arquitetados e raciocinados, poderemos construir uma estrutura muito mais estável para o bom funcionamento da sociedade. O que irrita profundamente é que, quando a grande maioria das pessoas se dá conta do quão fundo temos que procurar, elas simplesmente desistem e decidem assistir à novela das oito. Holy, acho que este foi um dos posts mais longos que eu já escrevi...
--- Seção "Do dia" ---

Música do dia:
Eric Clapton - I Shot the Sheriff

Piada do dia:
Fato imbecil do dia:
Frase do dia:
"The masses seem to me worthy of notice in only three respects: first as blurred copies of great men, produced on bad paper with worn plates, further as a resistance to the great, and finally as the tools of the great; beyond that, may the devil and statistics take them."
-Friedrich W. Nietzsche

9 Comments:

Anonymous Lulu said...

Ai! Tá muito grande isso. Preciso de momento filosífico pra ler e entender.. :P

3:43 PM  
Anonymous dindo Paulo said...

Lulu, não te conheço, nem quero que percebas isto como uma censura, mas acho que se muitos jovens deixassem de lado a acomodação e dedicassem um tempinho que fosse a refletir e papear sobre esses assuntos, teríamos garantido o futuro da sociedade.

Eu já tive o meu tempo, e não encontrava muitos que estivessem dispostos a conversar sobre assuntos "sérios". Talvez devesse ter procurado mais. O fato é que, TODOS os que se dispuseram a "falar sério" se mostraram ser pessoas muito interessantes e que até hoje guardo na lembrança.

Nando, o post não está longo nem chato. É um ótimo ensaio sobre como construir um futuro digno. E isso é como plano de aposentadoria: quanto mais cedo começar melhor vai ser quando chegar a hora.

9:07 AM  
Blogger Felipe said...

http://en.wikipedia.org/wiki/Morality

6:42 PM  
Anonymous norma said...

Nando
Esse é o meu filho!
è uma pena que poucos tenham a profundidade para poder acompanhar o teu raciocínio... Teu post não tá longo... segue assim meu amor... aqueles que conseguirem te acompanhar, são aqueles que realmente importam!

12:01 PM  
Anonymous Ana said...

Pois é, tu sabe o q eu penso sobre tudo isso mas...

Agora que tu falou no catolicismo eu entendi um pouco melhor teu ponto de vista. E realmente, não existem valores ideais e não seria tão difícil achar os q chegassem mais perto disso. Mas, realmente, é necessário pensar desde a origem, pensar realmente o porque daquilo e não partir de ditados e conhecimentos populares imbecis.

E, ahá! É isso que pode não acontecer se os valores forem NOVAMENTE impostos. As pessoas não vão enfrentá-os, assim como não enfrentam os valores cristãos, que naquela época faziam sentido.
Se tivéssemos mais LIBERDADE, nós não iríamos simplismente engulir novos ideais.
Mas sei lá,éum ciclo e não tem solução. Gostei do teu texto e talvez tu tenha razão :D

1:11 AM  
Anonymous Ana said...

Foi mal eu só falei besteira, mas eu to com sono...

1:13 AM  
Blogger Felipe said...

The Smiths were unable to conceive children and decided to use a surrogate father to start their family. On the day the proxy father was to arrive, Mr. Smith kissed his wife goodbye and said, "Well, I'm off now. The man should be here soon."

Half an hour later, just by chance, a door-to-door baby photographer happened to ring the doorbell, hoping to make a sale. "Good morning, Ma'am", he said, "I've come to...'' "Oh, no need to explain," Mrs Smith cut in, embarrassed, "I've been expecting you." "Have you really?" said the photographer. "Well, that's good. Did you know babies are my specialty?" "Well that's what my husband and I had hoped. Please come in and have a seat."

After a moment she asked, blushing, "Well, where do we start?" "Leave everything to me. I usually try two in the bathtub, one on the couch, and perhaps a couple on the bed. And sometimes the living room floor is fun. You can really spread out there." "Bathtub, living room floor? No wonder it didn't work out for Harry and me!"

"Well, Ma'am, none of us can guarantee a good one every time. But if we try several different positions and I shoot from six or seven angles, I'm sure you'll be pleased with the results." "My, that's a lot!" gasped Mrs Smith. "Ma'am, in my line of work a man has to take his time. I'd love to be in and out in five minutes, but I'm sure you'd be disappointed with that." "Don't I know it," said Mrs Smith quietly.

The photographer opened his briefcase and pulled out a portfolio of his baby pictures. "This was done on the top of a bus," he said. "Oh my God!" Mrs Smith exclaimed, grasping at her throat. "And these twins turned out exceptionally well - when you consider her mother was so difficult to work with." "She was difficult?" asked Mrs Smith. "Yes, I'm afraid so. I finally had to take her to the park to get the job done right. People were crowding around four and five deep to get a good look." "Four and five deep?" said Mrs Smith, her eyes wide with amazement.

"Yes", the photographer replied. "And for more than three hours, too. The mother was constantly squealing and yelling - I could hardly concentrate, and when darkness approached I had to rush my shots. Finally, when the squirrels began nibbling on my equipment, I just had to pack it all in."

Mrs Smith leaned forward. "Do you mean they actually chewed on your, um... equipment?" "It's true, Ma'am, yes. Well, if you're ready, I'll set-up my tripod and we can get to work right away." "Tripod?" "Oh yes, Ma'am. I need to use a tripod to rest my Canon on. It's much too heavy to be held in the hand very long."

With that, Mrs. Smith fainted...

3:02 PM  
Blogger Felipe said...

"Dê um peixe a um homem e você o alimentará por um dia. Dê-lhe uma religião e ele morrerá de fome enquanto reza por um peixe."
Autor desconhecido

"Duas mãos trabalhando fazem mais do que milhares de mãos unidas em oração."
Autor desconhecido

"Um homem sem religião é como um peixe sem bicicleta."
Autor desconhecido

"Mitologia é o nome que damos às religiões dos outros."
Joseph Campbell

"A fé é a falência intelectual. Se o único modo de você aceitar uma afirmação é pela fé, então você está admitindo que ela não pode ser aceita por seus próprios méritos."
Dan Barker

"Deus diz: "Faça o que você quiser, mas, se escolher errado, você será torturado no inferno por toda a eternidade". Isto não é liberdade de escolha. Equivale a um homem que diz à sua namorada: "Faça o que você quiser mas, se escolher me deixar, eu vou atrás de você e estouro seus miolos". Quando um homem diz isto, nós o chamamos de psicopata e exigimos sua prisão. Quando Deus diz isto, nós dizemos que ele nos ama e construímos igrejas em seu louvor".

William C. Easttom

3:07 PM  
Blogger Adriana PS said...

Na falta de posts, o Felipe faz uns nos comments :)

11:49 PM  

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home