Tuesday, December 02, 2008

Back from the world of Zombie Mac!


Vou te contar uma coisa; a idéia de que serviços em geral no Brasil são podres não é bem assim. Don't get me wrong, serviço no Brasil é muito ruim. Meu ponto é que aqui não é melhor.

Talvez eu tenha levado meu MacBook no lugar errado. Tinham duas possibilidades: A loja dentro do campus da universidade ou uma outra loja no centro da cidade. No campus eu podia ir a pé, which is nice, porque eu tive que ir lá umas 10 vezes incomodar o carinha que tava responsável pelo meu computador para ver se acontecia alguma coisa.

Nunca vi enrolarem tanto. Quando eu deixei o computador lá, o cara me falou que as peças que ele tinha que encomendar deveriam chegar em um ou dois dias, então em no máximo dois dias meu computador iria estar pronto. Eu fui lá dois dias depois e o cara falou que as peças estavam lá mas que ele não tinha tido tempo para mexer em nada. Ficou nisso por umas duas semanas, e depois ele me falou que precisava de uma outra peça (que não tinha surgido antes, veja bem), e daí foram mais duas semanas pra terminar o serviço. Nunca vi! Pelo menos o computador estava na garantia, então eu não precisei pagar nenhum centavo.

Bom, depois de um mês sem computador, as coisas devem mais ou menos voltar ao normal. No meio tempo que eu fiquei sem meu laptop aconteceram várias coisas: um presidente foi eleito (the right one, no less), o time de futebol americano de Utah terminou a temporada invicto, e o pneu da minha bicicleta furou. Ah! teve thanksgiving também, que eu passei na casa do Erik, assistindo mais futebol americano e comendo. Comendo muito.

Well, that's it mostly. Agora com o laptop de volta eu devo atualizar o blog mais seguido, ou um pouco mais seguido. A gente está chuliando (é assim que se escreve?) para que comece a nevar de verdade, para começar a snowboardear..

PS: Sábado completou um terço do tempo que eu vou ficar aqui. É bem engraçado que o primeiro mês foi um dôzimo, o segundo foi um sexto, o terceiro um quarto, o quarto um terço, e agora o próximo mês é o primeiro que não fecha uma fração bonitinha assim. Depois tem um meio, e depois vira pro outro lado. Claro que isso só acontece porque existem 12, e não 10, meses no ano. Mas essa história de que 10 é um número importante não faz sentido. As pessoas deviam começar a nascer com 12 dedos, pra contar nos dedos até 12 e fazer com que 12 seja um número mais importante do que 10.

8 Comments:

Blogger Carlos said...

Ter 12 dedos tem outras vantagens tbem!

http://www.youtube.com/watch?v=pL3n6PzEZ0c

2:00 AM  
Blogger Gui said...

a parte mais legal do post foi o PS.

"e agora o próximo mês é o primeiro que não fecha uma fração bonitinha assim."

"Mas essa história de que 10 é um número importante não faz sentido. As pessoas deviam começar a nascer com 12 dedos, pra contar nos dedos até 12 e fazer com que 12 seja um número mais importante do que 10."

Hehehehe!

2:19 AM  
Blogger Luiz Scheidegger said...

"Ter 12 dedos tem outras vantagens tbem!"

that's dirty.

2:21 AM  
Anonymous norma said...

oi! quanto aos 12.... não foi bem isso que eu ovi aqui.... saudades.... beijos mãe

4:36 PM  
Blogger Paulo Becker said...

Aqui no Brasil a gente diz "um doze avos" :P
[/grammar nazi]

9:18 PM  
Blogger Luiz Scheidegger said...

Eu sei, mas dozimo eh mais bonito \o/

9:26 PM  
Anonymous Luisa said...

Hein? Hahahahaha
As pessoas deveriam começar a nascer com 12 dedos para que 12 fosse um número importante? Hein? hahahah
Me conta, amigooo, foi vodka, cerveja, vinho... Ou foi a abstinência de laptop?
Beijo!
Tô com saudade!

10:24 PM  
Anonymous Paulo said...

É, o sistema dozimal (duodecimal para os puristas) tem facilidades para representar frações que não existem no nosso decimal, por isso ficou engraçado o teu PS.

Mas se tivéssemos nascido um pouquinho antes (uns 3100 AC) e na Babilônia, estaríamos usando base 60, e aí, sim, as frações ficam redondinhas. Mas haja dedos nas mãos... hehehe

11:47 PM  

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home